Comportada básica

 Um look maravilhoso, além de ser super básico, um look bicolor composto por duas peças, enfim, o look foi usado por Blake Lively na festa de lançamento da coleção nova de Jason Wu para a Target que aconteceu em Nova York, as peças da parceria entre o estilista e a loja de departamentos só chega as lojas no dia 5 de fevereiro. Blake vestia uma blusinha bege clara e uma saia peplum, peça tendência para esse ano, podem crer, um sapato alto preto e só, investiu no look P&B e ficou super digna.


 Quanto ao make, sempre daquele jeito, super básico, logo de extremo bom gosto; olhos em tom de dourado bem claro, com leve esfumaçado em marrom no canto exterior superior, bastante rímel, blush rosa e um gloss cor de boca, pronto make pronto.


Investiu bem no look comportado e ficou linda.

XOXO from R.

Digno de ser comentado










É, isso mesmo, mais uma vez a nossa diva linda Amy Winehouse serve de inspiração para o mundo da moda, e dessa vez foi no desfile do francês Jean Paul Gaultier, o desfile que aconteceu no dia 25 na semana de moda em Paris; teve presença de Andrej Pejic, modelo andrógeno super digno, tudo muito da Amy, make da Amy, roupas parecidas com as dela, algumas modelos com cigarro na mão, até o modo que as modelos andavam tinha um quê de Amy; tinham bastante corsets, uns looks com tendência de pijamas, grande número de cores e de combinações de tons num mesmo look; as capas e véus deram um movimento todo especial aos looks; fiquem sabendo que muita gente adorou a coleção e a homenagem, exceto o pai da falecida cantora, Mitch Winehouse declarou ao The Sun que tanto ele quanto sua família acharam o desfile de extremo mau gosto: “Ainda estamos sofrendo muito com sua perda, e ver sua imagem usada para vender roupas foi uma sabotagem que não esperávamos”, disse Mitch sobre o desfile. Segundo o pai de Amy, ele e sua família tem muito orgulho da influência de Amy no mundo da moda mas acreditam que a imagem explorada por Gaultier não foi positiva: “O desfile explorou uma imagem da Amy quando ela não estava em sua melhor fase e glamurizou alguns dos momentos mais difíceis de sua vida”, completou Mitch, lamentando não ter sido consultado sobre a ideia. “Ninguém nos pediu permissão ou sequer fez alguma doação à Fundação Amy Winehouse”. Lembrando que Jean Paul não foi o primeiro a mostrar a admiração pelo estilo construído pela cantora, em 2008, no auge de sua carreira Karl Lagerfeld já tinha transformado as modelos da passarela da Chanel em Amys, fora outras marcas que fizeram o mesmo. Para quem quiser dar uma olhadinha mais detalhada na coleção tem vídeo pra vocês.

XOXO from R.

SPFW

 O sexto de último dia de SPFW teve desfiles das marcas Neon, Fernanda Yamamoto, Alexandre Herchcovitch (masc), Amapô e André Lima; confiram um pouco de tudo que aconteceu no último dia de SPFW:


 Proporções, flores e “as grandezas áureas da natureza” e a cultura multi-étnica de Istambul foram as inspirações para a coleção da Neon, os materiais usados na coleção foram crepe de lã, Jersey de lã, camurça de lã, lã bouclé, seda pura, brim, palha e metal em cores como amarelo, laranja, vermelho, pink, vinho, roxo, verde, marinho e preto. O desifle aconteceu no palco redondo do teatro Tuca Arena. Ombros estruturados, cinturas marcadas, quadris alargados, maxibolsos nas laterais das calças. Minimalismo e a praticidade dos tubinhos, peças-chave da coleção.Merece destaque a combinação de cores entre os vestidos justinhos, a meia-calça e o scarpin. Sem dúvida uma coleção vibrante, colorida e bem humorada.


O desfile da marca Fernanda Yamamoto foi inspirada em pinturas do Renascimento, em especial os retratos da imperatriz romana Bianca Maria Sforza; formas secas, com sobreposições e comprimentos variados. Os  looks traziam imagens de estampas.  Uma coleção cheia de detalhes que a transformou em algo novo.


 A vestimenta dos judeus ortodoxos serviu de inspiração para a coleção masculina da marca  Alexandre Herchcovitch. A coleção foi feita quase inteira de lã; malha, algodão encerado e couro. As cores da coleção foram preto, branco, marinho e cinza. Para quem não sabe Alexandre estudou por 12 anos num colégio ortodoxo, onde tinha aulas de hebraico com rabinos e estudava em classes somente para meninos. Apesar de não seguir a tradição ortodoxa, Herchcovitch tem muita proximidade com a cultura judaica. “É um tema que ia aparecer na minha vida em algum momento”, diz Alexandre, momentos antes do desfile.  As referências da inspiração vem nas listras e nos tons da coleção remetem ao Talit, o xale que os homens usam para rezar; nas mangas e luvas listradas de preto vêm do Tefilin, amuleto de couro que é amarrado no braço e na mão diariamente na hora da reza; nos cintos são uma referência ao Gartel. Um desfile para definir alguns padrões da moda masculina.


 As inspirações das estilistas da marca Amapô foram um mix de vontades das estilistas, que passa pelos croquis dos projetos do coletivo artístico AVAF (influência nas estampas), o modo de vestir dos skinheads, a elegância de meninos adolescentes, e a personagem do cartoon britânico Tank Girl. As estilistas afirmaran que não há um denominador comum que defina toda a forma, e de fato encontramos peças que vão dos justíssimos aos estruturados que mal tocam o corpo. 


E para fechar com chave de ouro o desfile da André Lima traz uma coleção inspirada em elementos asiáticos e africanismos em geral. Volume mais que slim, algumas alterações na estrutura e fluidez, que podem ir de longuíssimos a mini jaquetas, com babados ou não. Me parece uma escolha certa para fechar a SPFW.


E que venha a próxima, R.

SPFW

 No quinto dia de SPFW teve desfiles das marcas Gloria Coelho, Maria Bonita, Uma Raquel Davidowicz, João Pimenta e Lino Villaventura, confiram um pouco de tudo que rolou no quinto dia de SPFW:


 O desfile da Gloria Coelho se inspirou em neutrinos & Vulcões; anos 30, 50, 60, 90 e 2012, levesa, transparência, sincronicidade, velocidade, improviso, desprendimento, originalidade, independência para trazer essa coleção, Como cartela de cor foi selecionada gelo, bege, rosé, marrom, cinza, off-white, preto, camelo, rosa argila; os forros aparecem nos tons laranja, azul, rosa, verde limão e vermelho. Há ainda as estampas de Vulcão e Neutrinos para fazer de acordo com a inspiração.


 “Dias do Norte, com suas motivações diversas e roteiros variados por entre os rios-ruas que riem de nós ao se modificar a cada enchente. Peço licença aos boiadeiros, castanheiros, índios, seringueiros e marisqueiros para conhecer seus saberes e fazeres”. foi a inspiração do desfile da Maria Bonita, os materiais usados na coleção foram tricô, látex, paetê e canutilhos de metal. Castanhos, verdes, rosa, amarelo foi a cartela de cores da coleção; formas super confortáveis de se vestir, além de serem super confortáveis de se verem;  Danielle disse que ainda não chegou lá, mas que acha que está no caminho certo.


 Sport minimalista foi a inspiração da marca Uma, que trouxe uma coleção de formas bem andróginas, fluidas e estruturadas em comprimentos longos e algumas fendas. Percebi uma busca por androgenia no desfile da marca, não porque as formas não tinham muito contorno, mas também na escolha de material e na cartela de cores; os materiais foram tecnológicos e cores de uma paleta clássica como o preto, marrom, cinza e tons de azul.


 A marca João Pimenta trouxe uma coleção inspirada em steampunk, subgênero da ficção científica cujas obras são ambientadas em um passado que possui tecnologia do futuro; os “plague doctors”, médicos da época da praga que usavam máscaras com bicos, onde colocavam ervas aromáticas para disfarçar o cheiro dos doentes; e a ideia de que “todo príncipe tem seu monstro”. Cartela de cores escura, com contrastes de marinho, marrom, vinho, musgo e preto. Formas no normal clássicas em comprimentos variados. Uma coleção forte e impactante.


 Imagens sombrias do pintor Francis Bacon serviram de inspiração para a coleção da marca Lino Villaventura, as formas usadas foram mais contidas e aos poucos a coleção foi ganhando mais volume, muito mais volumes. Os looks mais carnavalescos, brilhantes, além da “realidade” cotidiana arrancaram muitos aplausos e gritos da platéia, também não é pra menos.

E assim acabou o quinto dia de SPFW.

XOXO from R.

SPFW

 E o quarto dia de SPFW teve desfiles das marcas Cavalera, Jefferson Kulig, FH por Fause Haten, Juliana Jabour e Colcci, confiram um pouco de tudo que aconteceu nesse quarto dia de SPFW:


A Cavalera trouxe uma coleção inspirada no faroeste urbano, ótimos jeans com tratamentos resinados que imitam o couro, veludo cotelê, veludo lavado, moletom, que aparece bordado e recortado a laser, malha e renda foram alguns dos materiais usados na coleção, a cartela de cores tinha preto, azul, vermelho, cáqui, verde militar, as estampas foram lúdicas e ultra coloridas e ilustradas. O desfile com 700 pessoas foi realizado  na Estação da Luz, um dos lugares mais bonitos e emblemáticos de São Paulo, um show a parte, dançarinas burlescas dançando, todas sob coordenação da corsetier Madame Cher; os tênis da coleção merecem destaque, certamente daqui a alguns dia estará calçando os pés de todos.



 A Jefferson Kulig trouxe uma coleção inspirada em campos urbanos, ou seja, a tentativa de trazer o campo para a cidade, onde as únicas flores que sobrevivem são as “tecnológicas”. Silhuetas pouco marcadas e looks soltos, roupas leves, cores claras como branco, bege, cáqui e pontos de rosa e, tecidos pouco invernais em combinação com sapatos baixos para um inverna nada rigoroso.


 A inspiração para a FH por Fause Haten foram filmes de Elvis Presley dos anos 60; vestidos que contornam,  formas longas, fluidas nas pontas. Alguns looks bem volumosos. Os materiais usados foram seda, renda, pele e pele sintética. Destaque para o uso de estampas tropicais, em sedas ou paetês. Destaque para o uso de estampas tropicais, em sedas ou paetês.


O filme “Viagem a Darjeeling”, de Wes Anderson serviu como inspiração para o desfile da marca Juliana Jabour. Silhuetas inspiradas nos anos 20 e 60. As cores da coleção foram açafrão, preto, laranja, cinza mescla, nude e amarelo. As referências do filme aparecem de forma bem sutil. Como ela explica no release, a cartela de cores saiu dos “cenários tipicamente indianos do longa, e as matérias-primas saíram do mobiliário rústico das cidades”. O que importa é que a estilista não perdeu sua mão, muito menos se desviou de seu universo estético.



 O  “Oriente Express sofisticado” foi a inspiração da Colcci que trouxe a super modelo Alessandra Ambrósio a passarela grávida de 5 meses do seu segundo filho. Denim, tricôs artesanais, muito couro, sarja, tecidos de alfaiataria foram os materiais usados na coleção, as cores foram marrom, caramelo, conhaque, verde oliva, laranja, marinho, amarelo e rosa antigo. Um ótimo equilíbrio entre a coleção masculina e a coleção feminina, uma boa apresentação de peças básicas e comerciais, com referência militar, cortes mais geométricos e um balanço entre formas amplas e secas; grande aposta foram as saias, principalmente nas midi, lápis, longas e plissadas.

 Ashton Kutcher foi ao desfile, não desfilou, ficou somente sentado na primeira fila, de onde acompanhou todo o desfile ao lado de um amigo.

E assim acabou o quarto dia de desfiles do SPFW, até amanhã com mais do quinto e último dia de desfiles.

XOXO from R.

SPFW

 O terceiro de SPFW teve desfiles das marcas Reinaldo Lourenço, Ellus, Mario Queiroz, Huis Clos, Samuel Cirnansck, confiram um pouco de tudo que aconteceu no terceiro dia de SPFW:


 Reinaldo Lourenço trouxe uma coleção inspirada em Notre Dame, luz e sombra, “novas bruxas urbanas”, a estética gótica em uma coleção que teve como materiais seda, crepe, organza, veludo cristal, gabardine, vinil e couro; formas alongadas, retas e secas em uma cartela de cores com preto, vermelho, cinza, nude e prata. Extrema elegância numa coleção tão quanto interessante.


 A Ellus trouxe uma coleção inspirada em países nórdicos, principalmente a era viking e heavy metal. Formas no normal clássicas, mas também tinha formas estruturadas, um pouco de transpassado, cintura marcada por cintos e basque; a coleção fecha com uma jaqueta bomber, item tendência. Podemos dividir a coleção em três tipos de looks, looks totais pretos, looks totais vermelho e  looks ouro rosè; a Ellus usou como sobreposição jaquetas pesadas.


 A Art Decô e Futurismo serviram como inspiração para o desfile da Mario Queiroz, que teve formas clássicas e fluidas, com volumes de sobreposições e poucos contornos ao corpo em materiais como lã, organza, jacquard e cristais. Optou pela sustentabilidade e reutilizou materiais utilizados em outras coleções; sem muito contraste entre a coleção masculina e a feminina. 


 Inspiração para a coleção da Huis Clos foi  “Lingeries vintage, da época em que eram ainda cortadas e bordadas à mão”, explica Sara Kawasaki; malhadas dubladas em até quatro vezes dependendo do look, veludo e renda, passado por uma técnica de estamparia para conseguir o resultado luminoso. A maioria dos looks teve como cor cinza, tendo também renda bege dourada, o bordô e verde menta apareceram, pouco mais apareceram; Muita textura, roupas muito bem cortadas, com minimalismo na silhueta e cartela de cores.


 O estilista afirma ver “roupas no lugar de jóias e jóias no lugar de roupas”, essa foi a inspiração para a coleção; no normal formas longas, ou melhor muito longas. Os materiais usados foram organza, cetim, musseline em seda, renda, tules e gazar, bordados e drapeados. Transparência, brilho e bordado no contorno.

E assim terminou o terceiro dia de desfiles do SPFW.

XOXO from R.

SPFW

 O segundo dia de SPFW teve desfiles das marcas: Pedro Loureço, R.Rosner, Alexandre Herchcovitch (fem), Iódice e Triton, confiram um pouco de tudo que aconteceu no segundo dia de SPFW:


 O desfile da Pedro Lourenço teve como inspiração uma viagem que Pedro fez para o Chile, especialmente a visita ao deserto do Atacama e à Patagônia. As formas foram secas e retas; comprimento midi; geometria. As texturas, os tons e a sensação de vazio resultaram em estampas de geleiras, desertos e degradês, as cores foram nude, azul e preto. Uma coleção bem comercial; parabéns para o Pedro, super jovem, com somente 21 anos e consegue trazer uma coleção tão maravilhosa como essa.


A R.Rosner trouxe uma coleção inspirada num livro sobre mariposas, que seriam “o lado dark da borboleta”; Formas longas, tendo também formas curtas e leves. Renda, organza, tafetá foram alguns dos materias usados na coleção, estreou no SPFW com muito glamuor. A utilização de brilhos e transparência são fortes tendências trazidas pela marca.


 A marca Alexandre Herchcovitch traz uma coleção inspirada em nada, é isso mesmo, não há inspiração na coleção do Alexandre, como o próprio disse: “São formas e cores muito clássicas; meros exercícios de construção, acabamento e inovação de materiais”. Alexandre juntou dois universos opostos: o excesso do dourado com o minimalismo das formas. “Como não sou minimalista por natureza, este é o resultado final”. “Essa coleção é sobre fazer melhor o que já fazemos em termos de qualidade de um design que possa atender mais pessoas, que a cliente compreenda melhor e que também me realize. É uma matemática” completou Alexandre antes do desfile, enfim, trouxe uma coleção perfeita, com looks em renda, muito delicados, enfim, perfeitos.


 A Iódice trouxe uma coleção inspirada num rock luxuoso, retratado no livro “Rock and Royalty”, de Gianni Versace. Muito preto, ouro rosado, metalizado, bege e estampa de píton. Mini vestidos, looks curtos não acinturados e longos slim, com fendas valorizadas.


 O desfile da Triton trouxe uma coleção inspirada num mix de olhar jovem brasileiro com imagens européias. Formas descontraídas coordenadas com looks de alfaiataria. Usou referências college de modo não óbvio, o que deu uma quê de rap-chic a coleção; looks inteiros ou coordenados, alguns estilo pijama, outros combinados com jaqueta bomber. Destaque pras mochilas com mesma estampa dos casacos, criando um efeito dimensional no look, quando visto por trás. A preocupação da dimensionalidade transparece também nas peças que vinham com abas, uma espécie de falsa sobreposição, na frente e atrás.

 E assim acabou o segundo dia de SPFW, até amanhã com um pouco do do terceiro e quarto dia de SPFW.

XOXO from R.

SPFW

Iniciada quinta passada, mas por causa de problemas não pude postar no dia seguinte, e tendo termino no dia 24, amanhã, traz várias programações relativas à moda, além de trazer novas tendências a todos,o SPFW traz centenas de novidades para escolhermos e adaptarmos ao dia-a-dia, confiram um pouco do primeiro dia de SPFW, com o desfiles das marcas: Animale, Tufi Duek, Cori, Osklen; confiram:


A Animale abriu o SPFW com uma coleção inspirada em peças russas antigas, a cartela de cores foi  vermelho rubi, seguido do vermelho queimado,  bege e caramelo; formas não muito soltas e não muito estruturadas, o meio termo reinou no desfile, looks com um quê de pijama criando alusão a um  um chic-retrô, uma elegância antiga.




 A Tufi Duek trouxe uma coleção inspirada na lua, Mugler nos anos 80 e no sportswear; formas justas, vestidos com comprimento midi, estruturadas e volumosas; as cores da coleção foram preto, verde oliva, cinza metalizado, off white. O inusitado da coleção rendeu um ótimo desfile.




 A Cori trouxe uma coleção inspirada no hipismo e selaria em formas fluidas, muito couro, lã mescla alpaca, musseline de lã, renda de lã, algodão moleskin e lã cashmere aveludada; dando uma atenção especial aos acessórios e traz uma coleção com muitos detalhes.


 A Osklen traz uma coleção inspirada em reflexões sobre a Agenda 21; envolvimento de Oskar como embaixador da Unesco na Conferência das Nações Unidas RIO + 20; tão quanto diferente pra mim. Lã, veludo de seda, couro, chamois, pele sintética, neoprene, organza de seda, moletom foram alguns dos materiais usados na coleção; as cores foram o verde militar, azul, vermelho, laranja, preto, cinza, marrom e dourado, fora as estampas tropicais invernais. Na coleção muita roupa confortável, cores vibrantes, cabelo bagunçado, óculos escuros e plataforma. Uma coleção maravilhosa, fiel ao estilo e às preocupações ambientais da grife, com peças que fazem aquele mix mágico de informação de moda + design + usabilidade + conforto, e assim acabou o primeiro dia de SPFW.

XOXO from R.

P.L. AVISA

Infelizmente não poderei fazer como o combinado de ontem, devido a uma cirurgia de extração de ciso, fiquei debilitado, o que eu acreditava que não aconteceria, por isso nem avisei ontem; preciso de muito repouso, pensei que daria conta de fazer a cobertura do SPFW, mas não dará, logo assim que eu consegui postar, postarei. 


Obrigado desde já pela compreensão, R.

SPFW


 E o SPFW (São Paulo Fashion Week)chega a sua 32ª edição; tendo início hoje, dia 19 de janeiro e término no dia 24, quarta feira que vem; e chega para celebrar a maneira como a moda amplia e valoriza o nosso imaginário, a ideia do evento é "propor uma reflexão sobre a riqueza e diversidade do processo criativo e dos pensamentos que alimentam ideias e inventam soluções e novos mundos". A  SPFW trará ao Pavilhão da Bienal do Parque do Ibirapuera a exposição “Universo Criativo – Projeto Brasil 2″, um mosaico de microuniversos mostrando a transversalidade da criação e do pensamento e suas diversas influências. O projeto é uma co-produção com a editora e produtora cultural Arte e Ensaio, vai ocupar uma área de mais de 3 mil m² no piso térreo do prédio. Nesta edição, Ronaldo Fraga e Priscilla Darolt não se apresentarão, e Uma / Raquel Davidowicz volta a integrar a grade de desfiles do evento. R.Rosner, de Rodrigo Rosner, que desfilava na Casa de Criadores, será a grande estreia desta edição de Inverno 2012. A Pela terceira edição, a Colcci trará o astro de Hollywood Ashton Kutcher, que estará ao lado de Alessandra Ambrosio, grávida de 5 meses do seu segundo filho, quem também vem é a modelo Rosie Huntington-Whiteley, considerada uma das mulheres mais sexy do mundo. Ela abre o evento desfilando para a Animale. 

Confiram abaixo o line-up completo:

19 de janeiro, quinta-feira:

Animale: 17h
Tufi Duek: 19h
Cori: 20h15
Osklen : 21h30

20 de janeiro, sexta-feira:

Pedro Lourenço: 12h
R.Rosner: 15h30
Alexandre Herchcovitch (fem): 17h30
Iódice: 19h
Triton: 20h30

21 de janeiro, sábado:

Reinaldo Lourenço: 12h45
Ellus: 15h30
Mario Queiroz : 17h30
Huis Clos: 19h
Samuel Cirnansck: 21h

22 de janeiro, domingo:

Cavalera: 12h
Jefferson Kulig: 16h
FH por Fause Haten: 17h30
Juliana Jabour: 19h
Colcci: 20h30

23 de janeiro, segunda-feira:

Gloria Coelho: 12h10
Maria Bonita: 15h30
Uma Raquel Davidowicz: 17h
João Pimenta: 18h30
Lino Villaventura: 20h

24 de janeiro, terça-feira:

Neon: 11h30
Fernanda Yamamoto: 15h30
Alexandre Herchcovitch (masc): 17h
Amapô: 19h30
André Lima: 21h

Postaremos todos os dias o resumo do dia anterior até o fim do evento, então até amanhã com o resumo de tudo aquilo que aconteceu no SPFW hoje;

XOXO from R.

Fashion Rio

 Último dia de Fashion Rio, já com aquele cheirinho de saudade no ar, que daqui a alguns meses passa com a próxima edição, pois bem, ontem teve desfile das marcas: Giulia Borges, Nica Kessler, Andrea Marques, Oestúdio e Ausländer; confiram um pouco de tudo do Fashion Rio de ontem: 


 A marca Giulia Borges teve como inspiração Antique Dolls, lembranças da infância “diante do encantamento e do medo despertado pelo primor e fantasias”; as cores da coleção foram branco, preto, coral fluo e lima. A marca estreou no Fashion Rio com uma coleção que recebeu bastante elogios. As Antique Dolls são bonecas perfeitas e adoradas pela estilista, vale lembrar.


 A Nica Kessler trouxe uma coleção inspirada em Viagens, movimentos migratórios, mapas e pessoas que migraram como os índios Delaware; muita estampa, camuflados imitando mapas geográfico e chamas, um mix de tons de rosa e vinho, verde, azul, vermelho e laranja. Formas um pouco estruturadas, longas, fluidas em modelagens pesadas; peças que exploravam muito o movimento corporal.


 Andrea Marques se inspirou em estampas orgãnicas, flores hiper realistas, animais, pele de cobra, carcaças de pássaros em duas dimensões, tons outonais de folhas secas. Verde-floresta, tons avermelhados, lilás, palha, canela, off white e marrom foram as cores da coleção; Formas comportadas, na maioria das peças, com momentos de fluidez, também tinham formas secas e ajustadas em peças curtas e outrora longas; um desfile de pequenas delicadezas. 


 A Oestúdio trouxe uma coleção inspirada no indivíduo, o ser humano em suas complexas possibilidades de existência. As cores da coleção foram laranja, verde, preto e tons de nude; as formas eram orgânicas e estruturadas, a marca tentou passar em cada look, e nos detalhes delas, visões filosóficas do mundo às peças; o que deu bastante importância ao look.


 O desfile da Ausländer trouxe um coleção inspirada em “Um climinha de serra; risadas, preguiça, paixões e silêncio”. Cinza, preto, vermelho, beringela, nude e marrom foi a cartela de cores escolhida para a coleção. E para fechar essa temporada de Fashion Rio a Ausländer, que arrasou no ano passado ao trazer  Zombie Boy e Andrej Pejic para o desfile, desta vez investiu em Daisy Lowe, a modelo  inglesa ultracool que incorporou bem a proposta da marca trazida pela coleção e John Jones, pra mim também merece destaque o coberto xadrez, que podemos considerar uma das principais ferramentas,  ela apareceu como  poncho e casaco:






Agora é esperar a próxima edição;

Até a próxima R.
 

Próximo Look © 2014 LAYOUT POR MAYARA SOUSA